As teorias feministas e a interação humano-computador

Posted on Posted in cibercultura, congressos, design

Foto Louise Weiss


Como estamos no mês em que comemoramos o Dia Internacional da Mulher, então vou comentar algo que eu li sobre como as teorias feministas podem contribuir na interação humano-computador.

O Dia Internacional da Mulher é celebrado em 8 de março, dia em que são lembradas as lutas das mulheres por melhores condições de vida, trabalho e pelo direito de votar. As mulheres foram ocupando seu espaço através dos movimentos feministas e as teorias desenvolvidas puderam tornar o trabalho das mulheres mais valorizado.

Este assunto foi tema de um workshop no ACM CHI Conference on Human Factors in Computing Systems (CHI2011), realizado em maio de 2011 em Vancouver, no Canadá. Neste workshop, os pesquisadores foram convidados a refletir sobre as maneiras pelas quais o pensamento feminista tem impacto no campo de interação humano-computador. Os trabalhos mostraram o que as perspectivas feministas tem em comum com design centrado no usuário, como a consideração de pontos de vista alternativos e a compreensão de como, quando, onde e por que as pessoas fazem o que fazem.

Os trabalhos publicados estão disponíveis aqui ou na edição especial da revista Interacting With Computers.

Esse assunto também foi exposto no artigo de Michael Muller, pesquisador da IBM que fez um relato pessoal sobre como o feminismo o ajudou a pensar sobre IHC. Segundo ele, as teorias feministas argumentam que a mulher tem o direito de ser ouvida e de fazer as escolhas que possam afetá-la. Comparando com IHC, estes pensamentos o encorajaram a ouvir a “voz do usuário”, que muitas vezes é silenciada na hora do desenvolvimento de um produto ou de um sistema. Sendo assim, ele procurou trazer os usuários para seu local de trabalho, pois eles serão os consumidores finais do produto e somente eles poderão julgar quais são suas prioridades e suas necessidades.

[Patricia Tavares]

 

One thought on “As teorias feministas e a interação humano-computador

  1. Patricia, ótimo post! Com certeza esta é uma inspiração para uma nova linha de pesquisa a ser possivelmente seguida por você no seu doutorado…

    Nunca tinha pensado antes nesta relação entre feminismo e IHC. Lendo mais sobre isto percebi que têm tudo a ver!!!

    Agner

Comments are closed.