IBGE Censo 2010

Usabilidade da coleta de dados das pesquisas domiciliares

Em 2011, tive a honra de ser co-orientador da Patricia Tavares (UNIRIO e IBGE) que disponibilizou para download a sua dissertação, que teve o título de “ESTUDO DE USABILIDADE PARA PDAs UTILIZADOS EM COLETA DE DADOS NAS ENTREVISTAS PESSOAIS PARA PESQUISAS DOMICILIARES”. Aqui vai uma palhinha do trabalho, que teve orientação da prof. Simone Bacellar, da UNIRIO:

RESUMO - A evolução dos computadores permitiu que os questionários em papel utilizados em entrevistas pessoais fossem substituídos por questionários eletrônicos, método conhecido como CAPI (Computer Assisted Personal Interviewing). A popularização dos dispositivos móveis beneficiou as pesquisas domiciliares, pois ofereceu ao entrevistador a oportunidade de se deslocar portando o equipamento até os domicílios para se aproximar do informante e coletar os dados.

Alguns dos benefícios dos questionários eletrônicos são a redução do papel e a possibilidade de automatizar entrevistas complexas. Por outro lado, a introdução da coleta de dados informatizada pode ocasionar inconvenientes causados por telas mal concebidas, que atrapalham e atrasam a captação dos dados pelo entrevistador ou comprometem os resultados da pesquisa. O uso de dispositivos móveis para a coleta é outra consideração, por causa de suas limitações físicas (telas e teclados reduzidos) e por causa do ambiente de uso, pois o ambiente móvel tende a distrair mais as pessoas em função de outras atividades que ocorrem ao mesmo tempo no local.

A presente dissertação teve como foco propor recomendações para facilitar o uso de dispositivos móveis, em especial PDAs (Personal digital assistants), utilizados em coletas de dados estatísticos. Para atingir esse fim, foram realizadas observações em acompanhamentos de campo, testes de usabilidade em laboratório portátil, registros com fotos e vídeos e foram coletados depoimentos dos usuários. A partir da análise dos resultados, foram criados dois grupos de recomendações: um para o indivíduo que projeta o conteúdo dos questionários e outro para o projetista da interface do sistema de coleta de dados. Algumas telas foram desenhadas para exemplificar as recomendações.

Com as recomendações, pretende-se tornar o trabalho dos entrevistadores mais eficiente, agilizar a entrada dos dados, ajudar na leitura das perguntas para melhor entendimento dos informantes, maximizar a qualidade e a integridade dos dados coletados e reduzir custos com treinamentos.

DOWNLOAD – Baixe aqui a dissertação completa da Patricia Tavares.

design
IBGE Censo 2010
mobile
usabilidade

Comments (0)

Permalink

Palestra no Teatro da Lagoa – UniverCidade

Palestra no Teatro da UniverCidade (Ipanema)

Na quarta-feira, esta palestra está programada na UniverCidade, quando apresentarei algumas conclusões dos recentes estudos e observações sobre CADC (Computer Assisted Data Collection). Se tiver a oportunidade de estar por lá, não deixe de aparecer! Aguardo você lá.

design
etnografia
IBGE Censo 2010
mobile
usabilidade

Comments (3)

Permalink

Etnografias na coleta de dados do Censo Demográfico

Estas fotos mostram um trabalho de observações etnográficas da coleta de dados do Censo 2010, realizado junto ao Parque JK, num bairro de classe média alta em Belo Horizonte e na comunidade do Acaba-Mundo, local próximo, na mesma capital. Nas imagens, aparecem uma das recenseadoras do IBGE e minha colega Patricia , analista de sistemas, que estava lá por ocasião do congresso IHC da Sociedade Brasileira de Computação. Estávamos realizando a avaliação da usabilidade do dispositivo móvel na coleta de dados estatísticos.

Etnografias - Censo Demográfico 2010 - Belo Horizonte

Etnografias - Censo Demográfico 2010 - Belo Horizonte

Etnografias - Censo Demográfico 2010 - Belo Horizonte

Etnografias - Censo Demográfico 2010 - Belo Horizonte

Etnografias - Censo Demográfico 2010 - Belo Horizonte

Há uma série de razões pelas quais a etnografia passou a ser importante para o projeto de interface e IHC. Essas razões são as seguintes:

1 – o estudo etnográfico é um meio poderoso de identificar as necessidades do usuário e enxergar o sistema pelo olhar do usuário.

2 – descobre a verdadeira natureza do trabalho realizado: é muito comum os usuários desempenharem suas tarefas de modo diferente daquilo que foi prescrito. No caso de uma coleta de dados assistida por computador, por exemplo, nós descobrimos que a etnografia poderá ser útil ao evidenciar se os usuários enunciam as perguntas da entrevista empregando linguagem informal ou popular, de modo diverso do que é proposto no questionário eletrônico.

3 – outra vantagem do estudo etnográfico é que o pesquisador obtém um alto grau de compreensão do usuário e pode desempenhar o seu papel em sessões de projeto participativo.

4 – a natureza aberta (não enviesada) da etnografia habilita o registro de revelações surpreendentes sobre como o sistema é utilizado no campo.

Nas avaliações de usabilidade, é preciso estar imerso na cultura do usuário para melhor entender o que se passa em torno dele. Assim, os pesquisadores devem olhar, participar e perguntar sobre as atividades do seu dia-a-dia.

etnografia
IBGE Censo 2010
mobile
usabilidade

Comments (1)

Permalink

Censo Demográfico 2010

Cartum sobre o Censo Demográfico 2010
Cartum sobre o Censo Demográfico 2010

Cartum sobre o Censo Demográfico 2010

Cartum sobre o Censo Demográfico 2010

Cartum sobre o Censo Demográfico 2010

Cartum sobre o Censo Demográfico 2010

humor
IBGE Censo 2010

Comments (0)

Permalink

Método de avaliação de usabilidade da PNAD Contínua

View more presentations from agner.

-
Este método de pesquisa de usabilidade foi desenvolvido para avaliar o aplicativo criado para o PDA a ser utilizado pelos entrevistadores da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua).

A PNAD Contínua é a nova pesquisa do IBGE. Será realizada a partir de uma amostra de aproximadamente 179.000 domicílios e tem como núcleo básico questões sobre trabalho e rendimento. Além disso, vai investigar temas adicionais, como: educação de jovens e adultos, migração, educação profissional, trabalho infantil, fecundidade, mobilidade social, nupcialidade, saúde, segurança alimentar, tecnologia da informação e comunicação, transferências de renda e uso do tempo.

O método de usabilidade, de caráter qualitativo, teve seis etapas: (a) Pesquisa bibliográfica e documental; (b) Observações etnográficas; (c) Seleção da amostra de participantes; (d) Entrevistas baseadas em cenários e tarefas; (e) Análise dos resultados; (f) Comunicação dos resultados.

O trabalho foi desenvolvido por mim e por Patrícia Tavares, analista de sistemas do IBGE.

ciência
IBGE Censo 2010
mobile
testes
usabilidade

Comments (0)

Permalink

Testando o instrumento de mão do Censo 2010

-

View more presentations from agner.

Apresentação realizada no I Encontro de Teste de Software para o Censo Demográfico 2010 / IBGE.

-

Quase todos os países fazem os seus censos demográficos, em cada década, contando seus habitantes e gerando dados para identificar características (idade, sexo, cor, religião, educação, trabalho, migração, entre outras), conhecer as condições de vida da população e seu desenvolvimento socioeconômico, e para desenhar um retrato exato da realidade nacional.

O Censo Demográfico 2010, a ser conduzido pelo IBGE, será uma colossal operação de coleta de dados, mobilizando um enorme conjunto de pessoas desde a fase de planejamento até a divulgação dos resultados. 200 milhões de cidadãos serão pesquisados em aproximadamente 60 milhões de domicílios, localizados em 5.565 municípios. Cerca de 190 mil pessoas serão contratadas para os trabalhos de pré-coleta e coleta de dados, supervisão, apoio administrativo, informática e apuração dos resultados do Censo 2010.

Na realização do Censo, serão desenvolvidas duas etapas primordiais de trabalho: a Pré-coleta e a Coleta de Dados, utilizando centenas de milhares de dispositivos móveis de coleta de mão (os PDAs). A operação da Pré-coleta é a primeira atividade de campo do Censo. Visa atualizar as informações relativas à área de trabalho do recenseador (mapas dos setores censitários e o cadastro de endereços), para a etapa da Coleta de Dados.

Para dar suporte ao trabalho da Pré-coleta, o IBGE desenvolveu um aplicativo que roda no dispositivo de mão, em Windows Mobile. Em Rio Claro (SP), local onde foi realizado uma edição experimental do Censo, apliquei uma série de testes de usabilidade e entrevistas com o apoio dos usuários-finais, para avaliar a adequação e facilidade de uso e aprendizado do aplicativo. Com base nos princípios heurísticos de Jakob Nielsen, o aplicativo foi testado e os resultados apresentados no I Encontro de Teste de Software do IBGE (ver slides).

Apresentação realizada no I Encontro de Teste de Software para o Censo Demográfico 2010 / IBGE.

e-gov
IBGE Censo 2010
testes
usabilidade

Comments (2)

Permalink