sociedade do conhecimento

Ícones desatualizados?

 

Oi pessoal!

Eu acho este vídeo muito legal, que mostra crianças francesas tendo contato com tecnologias antigas. Elas tentam descobrir qual é a utilidade dos objetos e divertem-se com isso (e nós também nos divertimos com elas).

Depois de ver o vídeo, podemos pensar se alguns ícones que são utilizados nas interfaces de hoje fazem sentido para essa nova geração. O conceito de fazer uma correspondência entre o sistema e o mundo real permite que o usuário utilize seu prévio conhecimento para o aprendizado e para a memorização dos serviços disponíveis em um software. Ao utilizar ícones para auxiliar a compreensão de uma mensagem, deve se basear na vida real do usuário. Mas Scott Hanselman discute nesse artigo que alguns ícones usados em interfaces estão desatualizados, pois não fazem sentido para a geração mostrada no vídeo acima. Como vão associar um ícone com um disquete para gravar seus dados, se as crianças não sabem o que é um disquete ?

O autor ainda dá algumas sugestões para substituir os ícones. Vocês teriam outras sugestões?

[Patricia Tavares]

-

design
sociedade do conhecimento
tecnologia
usabilidade

Comments (1)

Permalink

“Olhares da Rede” – dica de livro para download

Este livro traz o debate sobre as idéias de cinco autores que pensam o universo das redes digitais. Yochai Benkler, Manuel Castells, Henry Jenkins, Lawrence Lessig e Douglas Rushkoff são utilizados em reflexões sobre a cibercultura e formam um grupo de pensadores cujas idéias contribuem para construir referenciais teóricos críticos sobre os fenômenos comunicacionais contemporâneos que emergem do interior das redes.

Baixe daqui o PDF livremente.

cibercultura
sociedade do conhecimento

Comments (0)

Permalink

Enciclopédia livre Design e Usabilidade

Free Encyclopedia of Interactive Design, Usability and User Experience

A recém-lançada Free Encyclopedia of Interactive Design, Usability and User Experience [interaction-design.org] foi desenvolvida no âmbito do manifesto da democratização do conhecimento, e aponta para recursos com credibilidade em todos os cantos do mundo para ter acesso gratuito a materiais educativos.

Toma o caminho inverso da Wikipedia ou de outras iniciativas crowd-sourcing, já que todas as entradas são escritas por autores de destaque que tenham contribuído significativamente para determinado tópico.

bibliografia
design
sociedade do conhecimento
usabilidade

Comments (0)

Permalink

Cortina de fumaça

Através da história, inovações introduzidas pelas tecnologias de informação e de comunicação têm influenciado muito as sociedades. Diversas tecnologias consolidadas estão tão integradas à nossa sociedade que indivíduos, empresas e governos não saberiam mais como viver sem elas. Novas tecnologias de informação e de comunicação digital continuam a ser introduzidas com um grande impacto sobre o modo como trabalhamos, aprendemos e nos comportamos.

Entretanto, em vez de simplificar e de melhorar nossas vidas, elas estão complicando e tornando-as caóticas. A sociedade luta para adaptar-se a este processo. As tecnologias de informação e comunicação alteram o modo como a informação é organizada e acessada, assim como a quantidade de dados disponível – que tem crescido exponencialmente.

O cientista Solla Price percebeu o crescimento da informação publicada por um fator de 10 a cada meio século. Se havia 10 revistas de comunicação científica a partir de 1750, o seu número cresceu para 100 no início do século XIX, para cerca de mil em meados do mesmo século e aproximadamente 10 mil por volta de 1900. No acesso ao Centro Internacional do ISSN (International Serial Standard Number), pode-se identificar hoje um total superior a 1 milhão e 100 mil periódicos registrados. Conseqüentemente, a tarefa de se manter atualizado com os avanços no próprio campo de especialização está se tornando cada vez mais difícil para pesquisadores e profissionais do mundo inteiro.

Pela primeira vez na história, a informação é produzida em um ritmo que excede as habilidades humanas para encontrá-la, revisá-la e compreendê-la. As pessoas possuem níveis de tolerância fisiológica à informação, determinadas por sua quantidade e por sua estruturação. A quantidade de informação e a compreensão estão positivamente correlacionadas somente até um determinado grau: acima deste ponto, a compreensão declina e há um efeito negativo sobre o que foi aprendido anteriormente.

Ocorre que, quando se têm três estudos sobre um determinado tema, é relativamente fácil comparar alternativas; quando se tem cerca de 10 estudos, o valor relativo de cada um diminui; mas, se existirem mil ou 100 mil estudos, o seu valor tende a zero. Devido ao fenômeno de data smog, os valores começam a se tornar negativos, com frustração para a atividade científica.

Uma edição dominical de O Globo ou O Estado de São Paulo contém normalmente mais informações do que o comum dos mortais poderia receber durante toda a sua vida na Idade Média. Os meios de comunicação de massa e a Internet despejam volumes cada vez maiores de dados e de notícias a velocidades estonteantes: somos massacrados por informações em quantidades impossíveis de serem processadas. Encontrar o que é pertinente e necessário, neste contexto, passou a ser uma tarefa árdua para os cidadãos comuns.
Se, no passado, a informação costumava passar pelas mãos de bibliotecários, jornalistas, educadores ou fontes com reconhecida credibilidade, atualmente, grande parte dela é imprecisa, ultrapassada e de qualidade duvidosa. Na mídia de massa, por exemplo, mistura-se a quantidade à baixa qualidade, sem proveito concreto para o cidadão em termos de conhecimento construído, e quanto mais tentamos acompanhar esta corrida, mais somos vulneráveis aos erros da percepção.

A crise contemporânea é justamente a de como transformar a informação disponível em conhecimento. Mais informação deveria representar mais oportunidades para aumentar a nossa compreensão do mundo, mas não é o que ocorre na prática. A explosão de informações funciona como uma espécie de cortina de fumaça. Surge uma síndrome emocional e mental que leva as pessoas a conclusões errôneas e a decisões ingênuas, causando ineficiência e prejuízos financeiros para as organizações – problema típico dos trabalhadores do conhecimento. Em termos de saúde indivídual, os efeitos do excesso de informação passam por estresse, tensão, distúrbios de sono, problemas digestivos, dificuldade de memorização, irritabilidade e sentimento de abandono.

[Trecho de artigo publicado na revista Capire.Info - continua]

arquitetura de informação
artigos
sociedade do conhecimento
usabilidade

Comments (0)

Permalink

Neurociências e o escambau…

Nesta interessante palestra para as Conferências TED, Jeff Hawkins, um dos conceituadores e desenvolvedores dos PDA, conversa conosco sobre a ciência do funcionamento do cérebro humano: muito interessante! O cérebro humano não é como um computador ou processador… O cérebro nos ajuda a prever o que vai acontecer na sequência! Os conceitos poderão ser importados para a computação e propiciar novas aplicações, mais cedo do que imaginamos! Afinal, é importante haver uma boa teoria sobre o cérebro? Cérebros podem compreender cérebros? O óbvio pode estar errado?

sociedade do conhecimento

Comments (0)

Permalink

Ted Nelson na TVE

A Carol me avisou a tempo (obrigado, Carol!) e eu ainda pude pegar a entrevista do filósofo e sociólogo Theodore Nelson na TVE, ontem à noite.

Personalidade criativa e irrequieta, Ted nasceu em 1937 e é um dos avôs da tecnologia da informação. Ele cunhou os termos “hipertexto” e “hipermídia” em 1963. A meta do seu trabalho tem sido tornar os computadores acessíveis a todas as pessoas. Nelson criou o projeto Xanadu com o objetivo de montar uma rede de computadores com interfaces simples. O lema é: “uma interface precisa ser tão simples que um iniciante, numa emergência, deve entendê-la em 10 segundos”. Atualmente, leciona interface homem-máquina na universidade de Oxford.

Na entrevista da TVE (ilustrada com cartuns ao vivo do Paulo Caruso, que aparentava não estar entendendo muito bem aquele papo), Ted citou a lista de Dave Farber. Uma excelente fonte de referência sobre assuntos quentes que relacionam tecnologia, sociedade, e economia, com foco nos direitos civis. Vale a pena ficar de olho.

ciência
sociedade do conhecimento
tecnologia

Comments (0)

Permalink

Inteligência empresarial

Foi lançado, no auditório do BNDES, o número 28 (2007) da revista Inteligência Empresarial, uma publicação do Crie (Coppe-UFRJ). O Crie é o Centro de Referência em Inteligência Empresarial da Coppe, um núcleo de pesquisas, capacitação e consultoria. O Crie tem o objetivo de auxiliar a geração de vantagens competitivas para as organizações e contribuir para a inserção competitiva do Brasil na sociedade do conhecimento.

Revista Inteligência Empresarial - Crie - Coppe/UFRJ.

Esta edição de Inteligência Empresarial traz, nas páginas 34-35, uma resenha de Claudia Duarte que analisa o (meu) livro Ergodesign e Arquitetura de Informação – Trabalhando com o Usuário.

Claudia, designer e mestre em Tecnologia da Imagem, afirma que o livro “assume um papel importante ao disseminar conceitos e levantar questões que contribuem para aperfeiçoar a qualificação dos nossos profissionais ligados ao projeto de websites e para situar os nossos produtos on-line em patamares de qualidade internacionais”.

Inteligência Empresarial é editada pelo professor Marcos Cavalcanti, da Coppe/UFRJ, e pela jornalista Rosa Lima.

arquitetura de informação
ergodesign
sociedade do conhecimento

Comments (0)

Permalink